O QUE É?

Entre meninas é uma vivência feminina de arte, talentos e inspirações. Com foco em atividades artísticas, é um espaço para jovens mulheres descobrirem seus potenciais e transformarem seus anseios em verdadeiras obras de arte. 

É um projeto que abre espaços para que o feminino verdadeiro possa brotar com intensidade e delicadeza. Uma ciranda de meninas sabias unindo e reunindo experiências através de histórias e de novos talentos pessoais. 

Uma possibilidade de transformação através do encontro consigo mesma.

Um  “dar a mão” no meio de tanta competição entre o feminino. 

Um lugar sem tempo para viver a descoberta de si mesma. 

Um espaço livre para que possamos alçar vôos através de nossa pulsante imaginação. Compartilhando experiências e acima de tudo tecendo novos caminhos para uma vida plena. 

OBJETIVOS

O processo de equilíbrio entre mente-corpo proporciona um modo de estar no mundo mais inteireza e criatividade. É um trabalho que não tem um caráter psicoterapêutico individual, mas sim, desenvolve as potencialidades artísticas e filosóficas de cada uma, proporcionando ferramentas para a expressão de si mesma.  Buscamos desenvolver qualidades e atributos que levem essas jovens meninas a estarem  mais presentes e felizes sendo quem são. Assim, aprenderem a lidar com as dificuldades de forma mais confiante, pois sabem como é sentir e reconhecem o apoio de seus pés no chão. 

Tem como objetivo principal o desenvolvimento da auto – percepção a fim de despertar as potencialidades e paixões individuais, resgatando a expressividade espontânea e a imaginação. Através da integração entre corpo e mente, as aulas proporcionam ludicamente um aumento da acuidade dos sentidos, abrindo novos espaços de afeto e de reflexão sobre quem somos e o que queremos. Os jogos cênicos possibilitarão as alunas, de uma forma divertida, trabalharem a expressividade individual, tornando-as aptas a reinventarem as relações dentro do coletivo. Dentro de um espaço seguro, podemos simplesmente brincar e relembrar que podemos ouvir e ser ouvidas. Com a ampliação de suas potencialidades, os alunas tornam-se receptivas às mudanças, agindo com maior propriedade às transformações necessárias para o crescimento e o “estar na vida”. 

O projeto  oferece as alunas as ferramentas  para que, através de simples mudanças corporais e comportamentais, tornem-se mais auto-confiantes e com maior agilidade para improvisar e dialogar. E, principalmente, estarem mais presentes na vida através de uma postura ativa e integrada. 

Em síntese:

  • Desenvolver a criatividade e o gosto pela vida através da arte;
  • Descobrir e desenvolver talentos e vocações;
  • Promover um espaço para que as questões que provocam dúvida, ansiedade e desnorteio possam ser faladas e trabalhadas em círculo;
  • Tomar contato com a potência feminina além dos rótulos e papéis pré-determinados;
  • Orientação vocacional e fortalecimento da vontade para os futuros passos e momentos vitais, através de exercícios de orientação interna e auto-estima

METODOLOGIA

– Teatro e seus jogos dramáticos 

– Dramaturgia pessoal 

– Arte da escrita, conscientização corporal: resgate do corpo esquecido e relaxamento a partir da imaginação ativa.  

– Meditação e trabalho de respiração (técnicas do Aikido) 

– Meditações guiadas

– Conscientização corporal através da sensibilização do toque e da imagem anatômica 

– Educação somática Experimentação do movimento dança e improvisação 

(Técnicas do Contato e Improvisação e DanceAbility) 

– Jogos cênicos: o corpo como forma de se colocar no mundo 

– Jogos de improvisação: trabalho da exposição e da desenvoltura em público, o corpo 

– Jogos de interação: desenvolver escuta e a capacidade de expressão 

– Jogos de criatividade: ampliação das potencialidades e da confiança em si mesmo

– Práticas de escrita, confecção de mandalas, desenhos, pinturas, bordados, colagens

A cada encontro, o conhecimento recebido será registrado de forma criativa em um caderno ou escudo pessoal. Ao final das 16 dinâmicas, esse será um importante aliado, pois será a memória de todas as compreensões vivenciadas ao longo do processo.

workshop realizado em parceria com:

Daniela dos Santos Duarte é atriz, diretora, dubladora, escritora e dramaturga graduada pela EAD (Escola de Arte Dramática EAD-ECA USP). Cursou História-Bacharelado na FURG – RS. Participou recentemente do Théâtre du Soleil, em atividades denominada “estágios”, ministradas por integrantes da Companhia como base a improvisação e jogos cênicos a partir de temas musicais. Com a orientação de Juliana Carneiro da Cunha, Maurice Durozier, Duccio Bellugi, Serge Nicolaï e Olivia Corsini. Mesa Redonda e Workshop com Alberto Villarreal (México) e Marcio Abreu (Brasil). Em 2011 foi selecionada pelo Royal Court theatre entre os treze dramaturgos emergentes. Fundadora e integrante da Cia Simples de teatro, sob orientação de Antonio Januzzelli. Ganhou em 2004 o prêmio de melhor atriz no festival Nascente de teatro de São Paulo, com a peça “Sobreviventes” direção de André Bortolanza.Ganhou 2006 melhor interpretação e roteiro com o texto “Muribeca” de Marcelino Freire no projeto rumos de audioficções do Itaú cultural. Oficina de criação literária com Marcelino Freire. Práticas do ator, com Sotigui Kouyate, ator de Peter Brook. Laboratório livre do ator sob a orientação de Antonio Januzelli. Donka – em busca da leveza. Workshop do Teatro do Sunil, Treinamento de preparação conduzido pelos atores da Cia. Finzi Pasca, a partir do repertório utilizado em seus processos criativos, baseados nos princípios da leveza, do controle e da vigilância. A pesquisa musical e a criação para a cena, com Jean-Jaques Lemêtre. Mesa Redonda e Workshop com integrantes do Royal Court Theatre; Lyndsey Turner, Mike Bartlett, Elyse Dodgson (Inglaterra) e Roberto Alvim (Brasil). Mesa Redonda e Workshop com Alberto Villarreal (México). Mesa Redonda e Workshop com Marcio Abreu (Brasil). Regras para manter e regras para quebrar, com David Leddy. Narrativas não-convencionais, com Anthony Neilson. Fora do personagem, com Davey Anderson. Construção de narrativas contemporâneas, com Marcio Abreu. Sobre “The Best Brothers”, com Daniel McIvor. Outros espetáculos onde atuou recentemente: “Prekária” direção de Georgette Fadel, Love em Blembler’s Direção de Georgette Fadel, Gota “D’água Breviário” Direção de Heron Coelho, “Escuro” Direção de Leonardo Moreira, “Hair” Direção: Iacov Hillel e Direção musical: Maestro Abel Rocha, “ As folhas do cedro” Direção de Samir Yazbek. Em cartaz com o premiado espetáculo “ Meu pai é um homem pássaro” Direção de Cristiane Paoli Quito.

Recentemente participou do repertório do diretor e dramaturgo Samir Yazbek, com a peça “O fingidor”, “As folhas do cedro” e a leitura dramática de seu novo espetáculo, “Um profeta em Nova Iorque”, no Letras em cena, do MASP – Museu de Arte de São Paulo, em homenagem a Gibran Khalil-Gibran. Como diretora e dramaturga, encenou a peça “Azirilhante” no teatro Eva Herz. Participou da 5a turma do Núcleo de Dramaturgia do SESI/British Council, sob coordenação de Marici Salomão.

Também é pesquisadora das artes sagradas indígenas, acompanhando intensamente a trajetória de Sylvie Shining Woman e facilitando vivências de autoconhecimento e cura.